Acofarma: passado, presente e futuro

 

As nossas origens

Os medicamentos até ao inicio do século XX eram essencialmente preparações que o farmacêutico realizava no seu laboratório. Não existiam praticamente medicamentos industriais, mas os boticários e outras estabelecimentos não regulados, como farmacêuticos e ervanários, ofereciam substâncias que desenvolviam, criando um elevado risco de intrusismo e perigo para a saúde.

Na Europa, a doutrina cooperativa adquiriu grande importância desde o início do século XIX e originou uma nova forma jurídica associativa conhecida como a sociedade cooperativa.



 

As origens da cooperação farmacêutica são parte de um movimento reivindicativo da profissão farmacêutica, que ocorre no final do século XIX e início do século XX em resposta aos problemas colocados pela industrialização de medicamentos e aos ataques contínuos de intermediários alheios à profissão farmacêutica.

 

São poucos os setores da economia no nosso país onde existe um movimento associativo com o tamanho e a eficiência do setor farmacêutico. No início do século XX, os farmacêuticos espanhóis agruparam-se regionalmente em cooperativas de distribuição farmacêutica. O objetivo dessas cooperativas era permitir que as farmácias espanholas, enquanto unidade de saúde e primeiro elo da cadeia de saúde, tivessem acesso imediato a mais de 40 000 referências que podem ser oferecidas por uma loja de farmácia. E tudo isto sem distinção e em igualdade de condições, quer seja uma farmácia no centro de uma capital ou uma farmácia rural distanciada dos habituais circuitos de distribuição habituais de uma farmácia grande ou pequena. Este agrupamento criou o atualmente denominado modelo de distribuição mediterrâneo, também ditomodelo de distribuição solidária.

 

Em maio de 1947, as cooperativas farmacêuticas espanholas constituem oficialmente uma associação para a defesa dos seus interesses profissionais, surgindo o Grupo Técnico de Cooperativas Farmacéuticas, o embrião do que hoje é a Acofarma, enquadrada na União Nacional de Cooperativas Industriais encuadrado en la Unión Nacional de Cooperativas Industriales. Em 2 de dezembro de 1960 é constituída a Acofar, Agrupación de Cooperativas Farmacéuticas constituida por 20 cooperativas. O seu objeto social é tão amplo que pretende não só ser uma entidade de serviços para os seus associados, mas também servir como instrumento e intermediário financeiro nas suas operações e também prestar vários serviços através dos seus vários departamentos: Secretaria Geral, Iniciativas Comerciais DIC, Publicações e Estudos. A sua política geral sempre foi que a “cooperação não é imposta, mas simplesmente proposta”.

 

Os serviços financeiros de apoio aos profissionais da farmácia foram tão bem sucedidos que o seu volume de negócio levou à constituição do atual banco dos farmacêuticos, Bancofar, que na atualidade é líder no setor farmacêutico e no qual as cooperativas e a Acofarma continuam a manter uma importante participação.

 

Após muitos esforços é criada a Asociación de Cooperativas Farmacéuticas, S.Coop. Acofarma. SÉ constituída no El Escorial em 12 de maio de 1972 com a aprovação das 32 cooperativas existentes. A finalidade social primária da organização é o fornecimento da mais completa gama de serviços químicos-farmacêuticos e parafarmacêuticos necessários para o melhor funcionamento da loja de farmácia, serviço que é prestado pelas cooperativas associadas que compõem a entidade. Atualmente 29 cooperativas formam parte da Acofarma e reúnem mais de 15 000 lojas de farmácia em todo o território espanhol.

 

A Acofarma iniciou a sua atividade numas modestas instalações em Barcelona e posteriormente num amplo local próprio no centro da cidade. Quando o novo local se revelou insuficiente, devido ao volume alcançado, o Sr. José María Morera Segalá, diretor do departamento de Iniciativas Comerciais D.I.C., teve a ideia de criar uma marca própria de produtos com o nome da Acofar e uma grande fábrica, que simultaneamente poderia ser armazém, centro de distribuição e fábrica de determinados produtos. O sonho de construir uma fábrica com a superfície e instalações que reclamavam as cooperativas foi possível com a aquisição de um terreno de 15 000 metros quadrados em Terrassa (Barcelona), tendo as instalações sido inauguradas em 1978.

 

No seio da Acofarma também surgiram iniciativas como a Revista Acofar, a primeira revista do setor editada ininterruptamente desde 1963 e com uma tiragem próxima aos 20 000 exemplares; serviços de benchmarking setorial, legais, informáticos ou de compra centralizada que permitem aos sócios da Acofarma, e indiretamente à loja de farmácia, desfrutar das sinergias e poupanças de escala que a união do nosso coletivo oferece.



 

Nesta trajetória com mais de 65 anos, a Acofarma foi pioneira em muitos campos, mas particularmente na criação da primeira marca de distribuição existente em Espanha em qualquer setor: Acofar.

 

Em 2003 Acofarma inicia uma etapa de renovação técnica e comercial que culmina em 2007 numa transformação societária: a cooperativa de segundo grau mantém-se como empresa patrimonial e prestadora de serviços, ao passo que a sua atividade comercial de marca própria é atribuída a uma filial, Acofarma Distribución S.A., cujos acionistas são a Acofarma e os seus sócios.

 

 

Realidade atual

Hoje em dia a Acofarma é propriedade de 29 cooperativas farmacêuticas espanholas e, consequentemente, propriedade das lojas de farmácia.

 

Atualmente as cooperativas farmacêuticas oferecem muito mais que serviços logísticos de compra, armazenamento e distribuição (até 6 entregas diárias). Oferecem à farmácia espanhola serviços muito valiosos para o profissional e para o paciente, como são os pacotes informáticos, formação contínua, apoio financeiro, suporte comercial e muito mais.

 

Tudo isto é possível porque las cooperativas de distribuição farmacêutica não têm fins lucrativos,, procuram unicamente fornecer o serviço aos seus proprietários. Esta é a sua única missão empresarial e, por conseguinte, também forma parte da missão da Acofarma, que contribui com mais de 65 anos na busca da melhoria dos sistemas de distribuição farmacêutica do nosso país e a defesa da profissão farmacêutica..

 

A Acofarma cumpre as normativas mais estritas, como as Normas de Correta Fabricação de Princípios Ativos (GMP-II) ou as Boas Práticas de Distribuição (GDP).

Além disso também possui a marcação CE de Produtos Sanitários.


 

Conta com uma equipa humana de 70 pessoas altamente qualificadas e uma equipa comercial que cobre todo o território nacional e visita regularmente mais de15 000 farmácias.

 

Em 2015 o volume de negócio da Acofarma superou os 22 milhões de euros consolidados, com um crescimento sustentável que permitiu quase duplicar o seu volume nos últimos 10 anos.

 

A Acofarma conta com uma ampla gama, incluindo 5000 referências de produtos químicos e mais de 1000 de parafarmácia, sendo líder em categorias chave como a higiene dérmica, pensos estéreis e diagnóstico(Ver prontuário).

 

 

Um futuro pleno de esperança

O destino da Acofarma está relacionado com a distribuição, farmácia, formulação e desenvolvimento das marcas de distribuição.

 

distribuição cooperativista eestá em pleno processo de renovação e concentração, o que a tornará mais robusta e lhe irá permitir enfrentar um ambiente cada vez mais exigente. Neste sentido, a farmácia e o modelo mediterrâneo têm um grande futuro por diante.

 

Aformulação magistral, que na década dos 90 foi a grande esquecida, recuperou forças e atualmente demostra ser uma eficaz ferramenta de tratamento personalizado, uma tendência muito em voga. Já não falamos de formulação mas sim de elaboração à medida das necessidades de cada paciente. As autoridades sanitárias estão cada vez mais comprometidas com esta ferramenta terapêutica e a formulação desperta novamente o interesse de farmacêuticos e médicos responsáveis pela prescrição, a quem a Acofarma tem vindo a dotar, desde há muitos anos através das associações de formulistas, da formação e conhecimento necessários.

 

Relativamente ao futuro das marcas próprias pouco há para dizer, pois provaram ser um êxito espetacular, chegando a representar cerca de 40% das vendas em grande consumo e cerca de 1,8% na farmácia com importante crescimento sustentável. As marcas próprias vieram para ficar e a marca da farmácia tem um grande amplitude pois oferece vantagens a quem vende e a quem compra.

Usso de cookies

Utilizamos cookies próprias para melhorar os nossos serviços relacionadas com as suas preferências mediante a análises dos seus hábitos de navegação. Se continua a navegar, consideramos que aceita o uso das mesmas. Ver a nossa política de cookies. Saiba mais